O império heteu foi um poderoso império que começou a dominar a área central da atual Turquia, parte do Líbano e Síria. O povo heteu é da família dos cananeus conforme Gênesis 10:15 “Canaã gerou a Sidom, seu primogênito, e a Hete”
Seus parentes chamado Hebreus os chamavam de filhos de Hete.
A capital do império heteu era Hattusha, nas redondezas da atual cidade turca de Bogazköy
Hattusha, que provavelmente já existia antes dos heteus, foi conquistada por volta do ano -1900, e se tornou a capital do império heteu no ano -1500
A cidade era notável por suas fortes muralhas e localizada em um terreno bastante irregular.
As escavações comandadas pelo arqueólogo alemão Hugo Winckler em 1906 descobriram além da própria cidade de Hattusha, inúmeras tábuas de argila escritas na até então desconhecida língua heteia. Durante a sua carreira, o arqueólogo estudou e escreveu vários artigos sobre o Antigo Testamento, a Babilônia, a Assíria, o Código de Hamurabi, e a escrita cuneiforme.
Escrita heteia: Tratado de Kadesh exposto no Museu Arqueológico de Istambul
A língua heteia é classificada como a mais antiga língua indo-européia, e a sua escrita, tal como os contemporâneos egípcios, tinham uma escrita hieroglífica.

A principal arma eram os carros de guerra com capacidade para três pessoas, um condutor e dois guerreiros e um deles utilizava um arco

Coincidência ou não, alguns pesquisadores apontam grande semelhança da língua heteia com o tupi-guarani, sugerindo a presença daqueles nas futuras terras brasileiras, o que pode ser uma realidade como descendentes da tribo do norte.